Resenha: Pistas Submersas - Maria Adolfsson

domingo, 22 de março de 2020

Título: Pistas Submersas
Autora: Maria Adolfsson
Classificação: 3.9 [Skoob]
Páginas: 368
Editora: Faro Editorial
Gênero: Mistério, Crime, Thriller

Karen Hornby acorda em um quarto de hotel com seu chefe, Jounas Smeed, e vagas lembranças de uma noite conturbada. Ambos nunca foram amigáveis um com o outro, as trocas de farpas e tentativas de evitar um ao outro a faz se questionar o que a fez dormir com ele, tentando esquecer as decisões erradas de uma noite festiva e cheia de bebidas, ela decide ir embora.

Já no conforto de sua casa e decidida a passar o domingo inteiro dormindo, exatamente ás 13:22 ela recebe uma ligação de seu superior Viggo Haugen dizendo que uma mulher foi assassinada, tentando assimilar o fato de que ele ligou para ela e não para Jounas, Karen tenta questionar o motivo quando Viggo diz que a mulher assassinada é a ex-esposa de seu chefe, Susanne Smeed. 

“ Karen dá alguns passos cautelosos perto das almofadas, estica o pescoço para enxergar além do grande armário e suspira involuntariamente. Leva apenas uma fração de segundo para dominar o impulso de desviar o olhar. Com frieza e o semblante sem expressão, ela examina a mulher no chão.”

Em uma corrida contra o tempo, Karen busca indícios do que aconteceu com Susanne Smeed e sua única pista é de que ela não tinha nenhum amigo e todos pareciam odiá-la. Doggerland é uma ilha cheia de segredos e fofocas aos quais Karen precisa decidir o que é verdade e o que é mito e tentar entender quem é Susanne.

“ Susanne era uma infeliz mal-humorada e amarga, com uma habilidade especial para aborrecer qualquer pessoa que estivesse perto dela.”

Acontecimentos do passado trarão a tona respostas para o assassino de Sussanne, mas para obtê-las Karen precisa ir fundo nas entranhas de Doggerland. Quais eventos há 40 anos atrás resultaram na morte de Susanne? Com pistas escassas e poucos colegas que acreditam em seu potencial para o trabalho, quais direções Karen deve seguir? 

Fora o início, que deu direção ao caso, foram basicamente 200 páginas de nada, faltou algo no meio do livro. Mostra Karen buscando pistas, entendendo o passado de Susanne e tentando estabelecer um vínculo de confiança com seu chefe, mas não vi nada demais nisso. Não sei dizer se foi falta de um pouco mais de ação, mas é um livro de 400 páginas que só fica bom depois da metade, quando um suspeito aparece, me fez questionar se valia a pena continuar a leitura. 

O final foi excelente, fiquei surpresa em como a personalidade dos personagens foi bem trabalhada pela autora, a leitura foi bem fluída e rica em detalhes, não sou muito fã de tantos detalhes, mas a forma como a autora o fez não o deixou cansativo e isso foi um ponto importante para a história. Porém o ponto negativo foi a falta de emoção. Por Doggerland ser uma ilha cheia de mistérios e vizinhos fofoqueiros, posso ter ficado na expectativa de um acontecimento que trouxesse possíveis reviravoltas para o enredo. 

Estou ansiosa pela continuidade do livro, me vi cativada por Karen e quero saber como sua vida irá se desenrolar.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Hey, gostou da postagem?
Então deixe sua opinião/crítica/elogio aqui!
O Paradise Books agradece seu comentário, obrigado pela visita!
obs.: Não respondemos comentários em anônimo; Não é permitido o uso palavras ofensivas; Não compartilhamos livros, isso vai contra a política de direitos autorais.