Resenha: Filhos de Sangue e Osso [O Legado de Orïsha #01] - Tomi Adeyemi

quarta-feira, 24 de julho de 2019


Título: Filhos de Sangue e Osso
Autora: Tomi Adeyemi
Classificação: 4.5 [Skoob]
Páginas: 560
Editora: Fantástica Rocco
Gênero: Fantasia, Young Adult


Somos todos filhos de sangue e osso. 

Todos instrumentos de vingança e virtude.


Em Orïsha já houve paz entre os Maji e os Kósidan - Maji os portadores da magia e Kósidan os nobres. Mas quando um Queimador colocou fogo na família do rei ele decidiu eliminar a magia de toda Orïsha. Todos aqueles com mais de treze anos e que já utilizaram a magia foram assassinados, o nome dado para esse massacre foi a Ofensiva. O rei fez de tudo para a magia morrer, mas depois de alguns anos ela poderá voltar e o inicio de mais uma batalha. 

Zélie só tem nesse mundo o pai e o irmão, Tzain, e estão sempre trabalhando juntos, mas o rei só sabe aumentar os impostos e eles terão que dar um jeito de conseguir pagá-los. Zélie decide vender um peixe na capital, mas a confusão sempre está ao seu lado e quando ela está saindo da cidade uma garota lhe pede ajuda. Amari a filha do rei roubou o pergaminho que poderá trazer a magia de volta e todos os guardas estão atrás dela, uma pequena aliança é construída e elas conseguem fugir da cidade. Mas um dos guardas, Inan o irmão de Amari, ao cruzar o olhar com Zélie não consegue esquecer seus olhos pratas de forma alguma, e uma busca se inicia. 
— Você nos esmagou para construir sua monarquia sobre o nosso sangue e ossos. Seu erro foi nos deixar vivos. Foi pensar que nunca revidaríamos!
 
Amari que não conhecia nada sobre a magia se encanta mais com ela a cada dia que passa e todas suas forças serão direcionadas para que ela regresse, sendo assim Zélie, Tzain e Amari irão na aventura de suas vidas para restaurar a magia. Inan e seu pai estão atrás deles para que isso não ocorra, e agora cabe ao destino decidir quem será o vencedor. 

Zélie é uma jovem impulsiva e todas as suas ações na maioria das vezes precipitadas acaba colocando todos em risco, mas ela é humana, e humanos erram. Tzain é a voz da razão sempre protegendo a irmã em todas as confusões em que ela se mete, e Amari é uma incógnita, vista como uma princesa frágil, mas conforme você vai conhecendo-a descobre uma verdadeira fera. Inan está sempre tentando agradar o pai, não tem personalidade própria e está sempre confuso em decidir o que é certo na sua vida.


Filhos de Sangue e Osso retrata a cultura africana e trouxe elementos diferenciados para a narrativa,  fazendo ele se tornar algo sem igual no universo fantástico atual. Uma leitura com poucos pontos fracos, ao meu ver, a tentativa de termos um romance durante a trama foi um deles, mas seus momentos vibrantes foram tantos que isso se torna quase insignificante. Temos um final chocante que já deixou minha cabeça a mil e cheia de expectativas do que virá a seguir. O livro é narrado por Zélie, Amari e Inan em primeira pessoa. 

Quando lemos a nota da autora conseguimos trazer essa fantasia para nossos dias e vemos a crítica que ela propõe. Filhos de Sangue e Osso não é apenas mais um livro de fantasia é a forma de se falar de temas polêmicos que muitas pessoas não querem discutir. 

— O que o senhor deu para ela?
— Algo para manter nossa vermezinha acordada. — Meu pai sorri. — Não posso deixar que desmaie antes de conseguirmos o que precisamos.
[...]
— Admiro sua ousadia, menina. É impressionante que tenha chegado até aqui. Mas eu não estaria no trono se não lhes lembrasse o que vocês são.
 


Nenhum comentário :

Postar um comentário

Hey, gostou da postagem?
Então deixe sua opinião/crítica/elogio aqui!
O Paradise Books agradece seu comentário, obrigado pela visita!
obs.: Não respondemos comentários em anônimo; Não é permitido o uso palavras ofensivas; Não compartilhamos livros, isso vai contra a política de direitos autorais.