Resenha: O Príncipe Cruel [O Povo do Ar #01] - Holly Black

quarta-feira, 24 de abril de 2019


Título: O Príncipe Cruel
Autora: Holly Black
Classificação: 4.4 [Skoob]
Páginas: 322
Editora: Galera Record
Gênero: Fantasia, Young Adult


Uma Humana vivendo no Mundo das Fadas não daria muito certo.

Jude tem 17 anos de idade e há dez anos vive em Elfhame, um Reino das Fadas. Ela foi arrancada de sua realidade pelo primeiro marido de sua mãe Madoc, que depois de ser enganado e abandonado ele decidiu se vingar e buscar sua filha legítima - Vivienne, metade humana e metade fada - no mundo mortal, mas ele não sabia que sua esposa fugitiva tinha mais duas filhas Jude e Taryn - gêmeas e humanas - e quando assassinou a mãe das meninas ficou com a responsabilidade de criar as três. 
Nascer mortal equivale a já ter nascido morta.
Viver no mundo das fadas é um grande desafio para Jude, mas ela o encarou da melhor forma possível. Madoc é general do Grande Rei e todas suas filhas usufruiu dos benefícios que o cargo lhe dava, estudou com os melhores professores e participou de todas as festas que acontecia no palácio. Porém ela e Taryn tinham sempre que ter o maior cuidado com tudo, pois humanas eram vistas como inferiores e qualquer um poderia manipulá-las facilmente. O Grande Rei tem vários filhos e o da idade mais próxima de Jude era o Príncipe Cardan, ele e seu grupinho vivia causando o caos por onde passavam e uma pessoa que ele tentava sempre testar era a Jude, desafiar a menina é um dos seus passatempos preferidos, mas para alguém que foi criada por um General e teve sempre a mente aguçada, fazia com que testar ela um desafio, ele nunca sabia ao certo o que a humana poderia fazer.
— Você sabe o que significa a palavra mortal? Significa nascido para morrer. Significa merecedor da morte. É o que você é, o que define você: mortal. Mesmo assim, aqui está você, determinada a se opor a mim enquanto apodrece de dentro para fora, sua criatura mortal corrupta e corrosiva. Diga-me como é. Você acha mesmo que pode me vencer? Um príncipe de Faerie?
Vivi não queria estar no mundo das fadas, Taryn era a doce garota que sempre abaixava a cabeça para tudo, mas Jude era a pessoa que se apaixonou por aquele universo e tinha o grande desejo de ser um deles, ela estava sempre em confusões, o que lhe deu alguns inimigos e também lhe rendeu ser convidada para ser espiã de um dos filhos do Rei. Esse que estava se retirando do trono e tentava decidir qual dos filhos ficaria em seu lugar. Claro que seus filhos faziam maquinações para acabarem sendo o escolhido para tal cargo, mas nem tudo saiu como planejado em Elfhame.

Holly Black apresenta um universo encantador e cheio de conspirações onde vemos humanos sendo usados e fadas sendo cruéis, nenhuma novidade, mas sua trama tem tantas reviravoltas e momentos chocantes que o leitor que acha que sabe o que irá vir a seguir ficará realmente surpreso com o rumo ao qual a narrativa irá tomar. O livro é narrador por Jude, uma personagem cheia de personalidade e que luta pelos seus objetivos, apesar de ser uma humana fraca perante a maioria das fadas, ela decide que se provará uma humana que deve ser respeitada. Estou ansiosa para saber o que acontecerá no próximo livro, já o final deste foi bem inusitado.

Se você é fã de universos fantásticos tem que conferir O Príncipe Cruel.
Eu já estive na Corte muitas vezes. Já testemunhei coisas muito piores do que asas sendo rasgadas ou insultos direcionados a mim. As fadas geralmente compensam sua incapacidade de mentir com uma panóplia de enganações e crueldades. Palavras distorcidas, pegadinhas, omissões, charadas, escândalos, isso sem mencionar as vinganças por lapsos antigos e mal lembrados. Tempestades são menos instáveis do que o povo fada, oceanos, menos inconstantes.


Nenhum comentário :

Postar um comentário

Hey, gostou da postagem?
Então deixe sua opinião/crítica/elogio aqui!
O Paradise Books agradece seu comentário, obrigado pela visita!
obs.: Não respondemos comentários em anônimo; Não é permitido o uso palavras ofensivas; Não compartilhamos livros, isso vai contra a política de direitos autorais.