Resenha: Sombras Prateadas [Bloodlines #05] - Richelle Mead

domingo, 4 de dezembro de 2016

Título: Sombras Prateadas - Bloodlines #05
Autora: Richelle Mead
Classificação: 4.5 [Skoob]
Páginas: 368
Editora: Seguinte
Gênero: Romance Sobrenatural
Essa resenha possui spoilers dos livros anteriores.

A jornada de Sydney Sage sempre eletrizante e nesse livro não poderia ser diferente. A alquimista depois de sofrer represália de seu grupo foi levada para o Centro de Reabilitação. Já ficamos sabemos em livros anteriores que as pessoas que são levadas para lá voltam muito diferente. Ela está com medo de que quando sair de seu período de reeducação possa ter tido suas crenças abaladas pelos tratamentos que os alquimistas utilizam em seus detentos. Sage irá fazer de tudo para não sofrer uma "lavagem cerebral", ela irá quebrar várias regras - como sempre - e tentará ajudar os outros detentos. 
Adrian: Espere por mim. Seja forte e também serei. Vou lutar e resistir a tudo que me aguarda. Não vou te esquecer. Nunca vou te abandonar, apesar de todas as mentiras que terei que contar a eles. Nosso centro vai aguentar.

Adrian Ivashkov teve um grande progresso em sua tentativa de ser uma pessoa vampiro melhor, porém se perdeu completamente quando Sage foi tirada do seu lado. Desde que a jovem foi pega por seus superiores e mandada para a "reabilitação alquimista" ele tenta entrar em contato com ela por meio do espírito e não consegue. Ele já tentou em todos os horários possíveis e nada. Cada dia que se passa sem notícias dela para ele é um inferno. O Moroi não sabe se é melhor ficar anestesiado com a bebida e não sentir a escuridão que existe dentro de si ou sentir tudo e continuar sua busca por Sydney. 

Essa leitura foi morosa, os capítulos eram narrados tanto por Adrian quando por Sage, mas parecia que nada acontecia, que a história não avançava. Era a todo tempo Sydney tentando se livrar da pressão psicológica sofrida pelos alquimistas, eles querem incutir em todos os seus membros que os Moroi são seres do mal e que os alquimistas não devem se envolver afetivamente com nenhum deles. E esse foi o crime de Sage, namorar um Moroi e ficar amiga de dampiros. Adrian nesse livro ficou grande parte oscilando entre bêbado e preocupado com Sage. Ele apesar de ter me estressado em alguns momentos durante a trama não desistiu de encontrá-la. Creio que Sage e Adrian passam quase uns 80% desse livro separados.
Se nossos papéis estivessem invertidos, era provável que ela já tivesse me encontrado a essa altura. Ela era mais inteligente e criativa que eu. Teria feito o extraordinário. Eu não conseguia lidar nem com o ordinário.

Tinha um tempo que eu havia lido o quarto livro de Bloodlines e uma fator que me encanta na escrita da Richelle Mead e trazer todos os pontos importantes dos livros anteriores no livro mais recente. Mas tenho que confessar que quando leio um livro atrás do outro isso me irrita um pouco. Apesar de essa ter sido uma leitura mais lenta a autora me deixou chocada com os últimos acontecimentos do livro, foi um final chocante. As vezes leio livros morosos e até fico desanimada para ler o próximo, mas não foi o caso desse livro. 

Amo Adrian desde minha leitura de Academia de Vampiros (VA - Vampire Academy) e foi uma grande alegria para mim saber que ele seria um dos personagens principais dessa série. Sage também aparece em VA e uma grande alegria minha durante a leitura de Bloodlines e ver que a Richelle conseguiu separar totalmente as tramas, poucas vezes os personagens da série anterior aparecem e para mim é um presente da autora me mostrar como vários deles estão. Aconselho a todas pessoas que pretendem ler Bloodlines que leiam antes Academia de Vampiros, assim já estarão habituados ao universo criado pela Richelle.

Confira as resenhas dos livros anteriores clicando nas capas.

         

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Hey, gostou da postagem?
Então deixe sua opinião/crítica/elogio aqui!
O Paradise Books agradece seu comentário, obrigado pela visita!
obs.: Não respondemos comentários em anônimo; Não é permitido o uso palavras ofensivas; Não compartilhamos livros, isso vai contra a política de direitos autorais.