Um Guia dos Romances Históricos/Época

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Oi Pessoal,

Espero que estejam curtindo os posts do nosso especial, eu não havia esclarecido antes mas aproveito para fazê-lo, apesar de termos escolhido o mês de Maio para falarmos e termos mais posts de Romances Históricos, também temos outras coisas que precisamos postar por aqui, portanto o tema não vai ser exclusivo nos posts desse mês, como vocês devem ter notado.

No post de hoje vamos falar um pouquinho sobre alguns costumes e detalhes que sempre aparecem nos romances de época e históricos que lemos, pra esclarecer as dúvidas de alguns leitores e nos deixar contextualizados com os padrões do século que amamos tanto ler <3 Além disso vou mostrar um pouquinho mais sobre a moda da época, pra ajudar no fluir da imaginação ao longo de nossas leituras.



A Temporada:
"A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas." Sinopse de O Visconde Que Me Amava - Julia Quinn

Frequentemente vemos autoras mencionando a temporada nos romances que lemos, era costume da aristocracia inglesa, manter várias residências, na maior parte do ano passavam seu tempo nas casas de campo, tranquilas para criação de suas famílias e para descansar dos grandes eventos sociais, mas em determinada época todos retornavam para Londres, o berço da sociedade onde os grandes bailes, festas e apresentações aconteciam. Ao alcançar determinada idade, as famílias faziam o debut de suas filhas, que consistia em sua apresentação oficial a sociedade como uma dama, que já estava em idade suficiente para se casar e formar uma nova família (geralmente a partir dos 14 ou 15 anos).



Ao longo da temporada, diversas famílias oferecem bailes, festas, saraus, reuniões e recitais, todos com o objetivo de entreter os convidados, mas principalmente para que todos sejam vistos e avaliados se podem se tornar um bom casamento, uma nova aliança ou acordo.
Sabemos que nossas mocinhas da ficção, em sua maioria, vão contra os padrões de sua época, escolhendo elas mesmas o par adequado, ou se casando por amor, mas não era bem assim que acontecia. A maioria dos casamentos era por conveniência, títulos, ou necessidade da jovem, pois uma moça que passava mais de três temporadas sem se casar, já começava a ser considerada encalhada.

A Etiqueta dos Cartões de Visita e de Baile:
Os cartões eram usados para apresentar pessoas, para anunciar a presença de alguém na casa ou em uma festa e para informar que um visitante havia passado por ali na ausência dos donos da casa. Em muitos palacetes havia até mesmo um cômodo ou um hall de entrada preparado para acolher os visitantes que vinham deixar seus cartões, enquanto os anfitriões decidiam se os receberiam ou não.

É comum em diversas cenas dos romances vermos um cavalheiro entregando o seu cartão a um mordomo da casa enquanto aguarda ser recebido pela moça a qual está fazendo a corte, então agora sabemos que essa forma de apresentação era essencial.

Assim como tudo que regia a vida naquela época, a etiqueta era essencial num baile, e as regras deviam ser seguidas principalmente para as moças que almejavam casamento.
Uma dama de respeito não deveria chegar desacompanhada ao salão de baile. Ela sempre chegaria na companhia de um cavalheiro ou de uma aia, que poderia ser uma parenta mais velha e respeitável.

O cavalheiro, por outro lado, poderia comparecer sem uma dama. Mas, caso estivesse acompanhado, imediatamente após chegar deveria levar a dama até onde ela pudesse se sentar. Depois buscaria um cartão de baile para sua acompanhante e poderia então apresentá-la a seus amigos e conhecidos, que poderiam pedir uma das várias danças com a dama. 
O cartão de baile ou cartão de dança era onde a dama anotava os nomes de cada cavalheiro com quem dançasse ao longo da noite, ao lado do nome da dança dividida com ele. O cartão podia ficar preso ao pulso da mulher com um cordão ou fita ou ser colocado no leque. Uma dama jamais deveria dançar mais de duas danças com o mesmo cavalheiro, ou seria motivo de fofocas, a não ser que esse cavalheiro estivesse publicamente lhe fazendo a corte e a pretensão de casamento já fosse de conhecimento da família.



Classificação da Nobreza:
Em todos os romances históricos encontramos alguns títulos de nobreza que muitas vezes não compreendemos. Os títulos eram passados de geração em geração, sempre de pai para filho homem, caso não houvessem filhos homens na família, passava-se para o sobrinho mais velho, e caso não houvesse nenhum desses, o homem que se casasse com sua filha mulher poderia herdá-lo, caso fosse conveniente para o dono do título transmiti-lo, garantindo assim que seus netos o mantivessem. Um título poderia ser dado pelo Rei, que era o maior monarca e determinava de acordo com sua vontade, ou pelo número de terras e bens que o homem possuía e se também fosse determinado pelo Rei.

Confira a ordem de importância
 dos títulos:
1) Rei/ Rainha
2)Príncipe/ Princesa
3)Duque/ Duquesa
4)Marques/ Marquesa
5)Conde/ Condessa
6)Visconde/ Viscondessa
7)Barão/ Baronesa




Moda - Um pouco mais sobre a Indumentária:
Gostaria de mostrar pra vocês dois períodos diferentes que frequentemente encontramos nos livros de época. Alguns se passam em meados do século XVIII e a grande maioria já no período chamado de “Regência” do século XIX, mas houveram mudanças bruscas nas vestimentas das jovens damas naquela época, por isso vou mostrar um pouco de cada. Estudei moda na faculdade, e a história da indumentária foi uma das partes mais fascinantes e que mais gostei de conhecer, desde os primórdios quando a humanidade se deu conta que precisava se cobrir para se proteger das intempéries climáticas, a moda passou a fazer um papel muito importante.

No período dos livros de romances que gostamos tanto, a vestimenta era peça fundamental para mostrar a sociedade qual era o seu status, mais do que caráter e honestidade, a roupa e os tecidos adequados eram supervalorizados, principalmente para aqueles que estavam sendo apresentados a sociedade em busca de matrimônio como é o caso de nossas mocinhas.

No início do século XVIII as roupas femininas e masculinas eram extremamente rígidas, formais e elaboradas, e durante muito tempo o estilo foi utilizado e mantido. Muitas barbatanas, corpetes, fitas, enfeites, bordados e perucas, tudo muito exuberante e exagerado, vide Maria Antonieta na França.

 

Com a Revolução Francesa e Americana, e a apropriação do estilo mais leve, romântico e natural, as muitas anáguas foram substituídas por tecidos mais leves, silhuetas menos arredondadas e a cintura feminina subiu para abaixo do busto. Os homens deixaram as perucas de lado e o grande esmero nas casacas por peças mais sóbrias, o chamado estilo Dándi, um vislumbre do que se tornaria a moda do século XIX.

 

Um exemplo é o estilo dos vestidos das irmãs Bennet em Orgulho e Preconceito, que se passa exatamente nesse período de transição da moda!


E então finalmente entramos no século XIX, onde a maioria de nossas histórias favoritas se passam, período que a rainha Victoria governava a Inglaterra e onde a moda novamente se tornou não apenas um recurso visual, mas também uma questão de comportamento. As mulheres passaram a usar cachinhos nos cabelos, o estilo coquete, recatada, a ideia era criar uma imagem de jovem frágil e sensível, que não se opunha aos padrões sociais, e se resignava a tudo sempre. A cintura voltou ao lugar, os vestidos simples se tornaram novamente voluptuosos e o espartilho e o decote novamente se tornaram valorizados, muitos babados e acessórios como luvas, chapéus e sombrinha ganharam destaque novamente, e a exuberância dessa mulher inocente e ignorante ganhou seu lugar.

 

 

Encerramos aqui então o nosso post, espero que tenham gostado de aprender um pouquinho mais sobre os costumes da época de tantos personagens maravilhosos e livros tão queridos.
Ficou com dúvida? Quer perguntar alguma coisa? Quer comentar sobre algum livro? Deixa tudo aí nos comentários <3

Beijos




9 comentários :


  1. Carlinha, que post incrível!! Ficou super completo, e adorei tanto as informações como todas as imagens que você usou. 
    Imagino o trabalhão que deve ter dado pra preparar, então parabéns, você merece o reconhecimento :)
    Beijão! ♥

    ResponderExcluir
  2. Ameiii demais esse post!! Ficou incrível <3

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Adorei esse post, pois como gosto muito de ler romances de época vejo varias referencias que acabo não entendo e esse post acabou esclarecendo varias e adorei saber mais sobre a moda da época principalmente as mudanças que ela sofreu !!

    ResponderExcluir
  4. ADOREI!

    É muito bom saber um pouco mais sobre os detalhes desse gênero lindo ♥
    Uma coisa que não sabia é sobre a ordem dos títulos: jurava que Conde era mais que um Marquês, hahahahha

    Beijos,

    Pah - Livros & Fuxicos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pah! Eu tbm jurava! Essa info é da wikipedia, espero que esteja certo mesmo. HAHA
      Beijos

      Excluir
  5. Achei o máximo a ideia do post. É sempre bom saber um pouco mais do que lemos, dar uma aprofundada na história. Acho lindo figurino de época, só imagino como devia ser incomodo e quente kkkkk eu ia gostar de usar anquinha ;)

    ResponderExcluir
  6. ei Carlinha,
    que post lindo *-*
    Você sabe que sou apaixonada por romance de época, e é sempre ótimo conhecer um pouco mais sobre os hábitos e costumes da época, sempre retratados nos nosso s livros. Acho as roupas da época lindas, mas graças a Deus não nasci naquela época, kkk, prefiro as nossas
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Caraca!! eu amei!! estava pensando sobre a importância dos títulos ainda hoje e queria muito saber esta diferença. Ficou lindo e bem completo! Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Carla!

    Gosto muito desse tipo de post informativo.
    Mas sou meio que aficionada por romances de época então já tinha uma pequena noção de quase tudo.

    Gostaria porém de compreender porque as mulheres voltaram a usar espartilhos. >.<
    Li uma vez não lembro onde que houve muitas mortes de mulheres antigamente por causa dos arames das roupas que atraíam raios e morriam eletrocutadas! Coisa de louco, né? Já imaginou uma coisa dessas?!
    Hahahaha

    Bjs

    livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Hey, gostou da postagem?
Então deixe sua opinião/crítica/elogio aqui!
O Paradise Books agradece seu comentário, obrigado pela visita!
obs.: Não respondemos comentários em anônimo; Não é permitido o uso palavras ofensivas; Não compartilhamos livros, isso vai contra a política de direitos autorais.