Resenha: Alice no País das Armadilhas - Mainak Dhar

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016



Título: Alice no País das Armadilhas (Alice in Deadland #1)
Autor: Mainak Dhar
Classificação: 3.9 (Skoob)
Páginas: 256
Editora: Única
Gênero: Ficção, Aventura, Distopia.  
Um onda de mortos-vivos, mais conhecidos como Mordedores, eclodiu no planeta, devido essa eclosão os governos tentaram conter a erupção usando armas nucleares nos principais centros de surgimento. No entanto, toda a destruição não havia sido suficiente e dos incêndios desse apocalipse, nasceu uma luta pela sobrevivência entre os humanos e os mortos-vivos na terra devastada, que agora era conhecida simplesmente como o País das Armadilhas

Alice é uma guerreira que tem 15 anos, e luta pela sobrevivência, nasceu três meses após o inicio desse apocalipse, que passou a ser chamado de Insurreição. Ela vive no País das Armadilhas, nos arredores de Nova Déli, onde já foi a Índia. Lugar onde tudo é resumido entre "Melhor morto do que morto-vivo."

Alice e sua irmã costumam ficar no topo de uma colina, à procura de Mordedores. Certo dia, já cansada de esperar, rastejando pelos arredores da colina, ela avistou um Mordedor pelo visor do seu rifle, usando orelhas rosadas de coelho. Talvez esse estivesse numa festa à fantasia quando foi mordido e se transformou. Algo peculiar causou certa curiosidade em Alice, pois ele não estava vagando de modo aleatório como qualquer outro Mordedor, ele parecia procurar por algo. Ela decidiu sair de seu posto e se aproximar. Foi quando o Orelhudo desapareceu no chão. Ela ficou olhando, transfixada, e sem saber o que estava fazendo, começou a correr na direção em que ele havia desaparecido.  De súbito, ela sentiu o solo ceder debaixo de seus pés e notou que estava caindo.

Alice se encontrou em um túnel totalmente escuro, que ela associou ser uma base subterrânea dos Mordedores. Algo que ela sempre cogitava que existira, e agora pode ter certeza. Por trás dessas criaturas alojadas no subterrâneo, se encontra uma líder, que acredita que Alice está destinada a consumar uma profecia baseada nos restos do último livro encontrado no País das Armadilhas, obra nomeada como Alice no País das Maravilhas.

Em seu tempo no subterrâneo, Alice foi apresentada à inúmeras provas e argumentos de que tudo que está vivendo no País das Armadilhas, faz parte de uma jogada política e que o mundo precisa ser alertado. Como os mordedores surgiram? Porque inúmeras cidades foram bombardeadas, e civis foram mortos? Porque devemos todos nos submeter às ordens do Comitê Central?  Ela decide aderir à causa da líder dos Mordedores, e fazer o possível para que a justiça seja feita. A partir daí, Alice irá adentrar em uma aventura, que mudará completamente seu modo de ver o mundo.
O homem fungou, debochando.
- Lutar pelo quê? Você diz coisas muito bonitas para alguém tao jovem. Sabe o que essas palavras significam?
Alice nem piscou ao responder.
- Luto pela liberdade que todos nós temos como seres humanos. A liberdade de viver do jeito que nós quisermos, a liberdade de escolhermos nossos lideres.
Essa premissa, é totalmente interessante, e durante a história é possível notar algumas semelhanças com a história original de Alice no país das Maravilhas de Lewis Caroll. No entanto, são bem poucas, esse não é um mundo fantasioso. É um ambiente pós apocalíptico, distópico, liderado por governantes arrogantes que estão em constante guerra. É um livro bem político, que descreve muitas táticas do governo e dos sobreviventes do País das Armadilhas.

A personalidade da Alice foi o único ponto que me agradou de verdade nesse livro. Ela é um guerreira, que mesmo tendo só 15 anos é uma lutadora, que cresceu manuseando armas e que possui um espírito de liderança que era desconhecido até por ela. Por ser uma garota forte, ela é respeitada, e vai carregar consigo um grande fardo de responsabilidade que vai definir o futuro do País das Armadilhas.

Eu fui muito empolgada pra ler essa história, acho que poderia ter me agradado mais. Mainak Dhar tinha tudo pra criar uma ficção mais encorpada, e em alguns pontos acabou ficando bem redundante, descrevendo as mesmas coisas e os mesmos fatos inúmeras vezes. A proposta do autor, com a suposta profecia, que trás a obra de Caroll pra história, é bem superficial. É como se agarrar em um conto de fadas e tentar conectar com a realidade pós apocalíptica, que sinceramente não acrescentou em nada no enredo (a não ser a referência). Pra quem gosta de um aventura com zumbis, esse livro é totalmente recomendado. Mas já aviso que ele não possui muitas novidades. Pra quem já conhece desse tipo de ficção saiba que é só mais um livro de zumbis, envolvendo segredos do governo, e uma guerra pela sobrevivência, com alguns nomes que irão lhe fazer recordar da obra de Lewis Caroll.

13586485
13118820
Alice no País das Armadilhas não é um livro único, é uma série. que já possui sequência publicada, não aqui no Brasil. Eu particularmente não sei se terei interesse em ler a sequência, mas pra quem quiser saber mais, abaixo os links dos próximos títulos, que podem futuramente ser publicados pela editora única. 

Through the Killing Glass (Alice in Deadland #2) ►

Off With Their Heads: The Prequel to Alice in Deadland (Alice in Deadland #3)

Saiba mais: Alice In Deadland - Mainak Dhar

9 comentários :

  1. Mih!
    Como gosto muito das releituras dos contos de fada, quero ler mais essa...
    Pelo visto aqui, Alice apesar de ser jovem, é guerreira e vai em busca do que quer.
    “O segredo da criatividade é saber como esconder as fontes.” (Albert Einstein)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe do TOP COMENTARISTA de Janeiro, são 4 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  2. Oi Mih, amo historias como a desse tipo que se passa nesse livro esse livro parece que prende a gente do começo ao fim, mesmo conhecendo a historia com certeza vou le-lo pra ver se é igual ou totalmente diferente e você fez uma resenha maravilhosa bjs.

    ResponderExcluir
  3. Amo a capa desse livro e tudo que tem a ver com a Alice, não sei se gostaria tanto assim de ler algo sobre zumbis mas tudo parece ser bem interessante. Com certeza ainda vou dar uma chance pra esse livro um dia! Achei as capas dos livros originais bonitas também.

    ResponderExcluir
  4. Olá, estou seguindo seu blog e acabei de criar o meu, gostaria de te convidar para visitar e se quiser seguir também.
    http://leitoresapx.blogspot.com.br/
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Fiquei mega curiosa *O* vou procurar para ler com certeza!

    http://meubaudeestrelas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Mih, confesso que não sou uma grande fã de zumbis. Só de pensar nesses monstros correndo atrás, querendo arrancar um pedaço de sua carne, me dá arrepios! Mas quando vi o lançamento da releitura de Alice no País das Maravilhas de uma forma mais sombria e pós-apocalíptica, confesso que minha curiosidade foi acendida. E com uma capa tão bonita, fica difícil resistir, né?!
    Se a oportunidade surgir, irei ler.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Não sou mtooo fã de Alice e qdo vi esse livro de zumbi até achei legal, mas depois de ler aqui me deu uma desanimada de conhecer.
    Eu so li um livro que tinha zumbis e ficava me lembrando de Walking Dead, acho que no final realmente tudo é mto parecido, mundo acabando, zumbis comendo gente e a galera viva tentando se salvar.
    Nao sabia q seria uma serie, achei a capa bem feita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Suzzy, é aquele tipo de livro um pouco fora dos padrões dos clássicos. Mas que é mais uma aventura e luta pela sobrevivência, com zumbis pra todo lado uashuahsua

      Excluir
  8. Eu preciso desse livro kkkkkkk kkkkkkk omg adorei esse história

    http://estilodenerd42.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir

Hey, gostou da postagem?
Então deixe sua opinião/crítica/elogio aqui!
O Paradise Books agradece seu comentário, obrigado pela visita!
obs.: Não respondemos comentários em anônimo; Não é permitido o uso palavras ofensivas; Não compartilhamos livros, isso vai contra a política de direitos autorais.