O Universo Literário e Alternativo de Lana Del Rey

terça-feira, 28 de janeiro de 2014


Nossa playlist da semana vai ser um pouco diferente. Hoje vamos falar sobre uma artista que tem toda uma relação com o universo literário mesmo antes de ser famosa. Ela escreve letras com trechos de poemas, ela fala sobre amor, sobre desilusões e perdas. Tem uma voz sexy e encantadora e escreve histórias em universos paralelos com artistas que já morreram, e ainda atua melhor que muitas atrizes com anos de carreira. Pra vocês, o universo literário de Lana Del Rey.





Elizabeth Woolridge Grant nascida em junho de 1986,  conhecida principalmente por seu nome artístico Lana Del Rey, é cantoracompositora atriz norte-americana. Seu primeiro vídeo lançado na web intitulado Video Games, foi o grande responsável pela explosão de seu sucesso.










Walt Whitman nascido em maio de 1819, foi um poetaensaísta e jornalista norte-americano, considerado por muitos como o "pai do verso livre". Song of Myself é um dos seus poemas mais famosos (além de ser um dos mais extensos), também foi considerado por muitos o grande poeta da Revolução Americana.









Mas o que é que esses dois tem em comum?
Lana se inspirou no poema I Sing the Body Electric pra escrever a letra de sua música com o mesmo título. No poema, Whitman claramente trata a respeito da sexualidade, do erotismo do corpo humano e de sua ligação com a alma (And if the body were not the soul, what is the soul?- E se o corpo não fosse a alma, o que é a alma?). Ele retrata de forma detalhada, pequenos sinais e movimentos do corpo humano que conseguem nos transmitir diversos tipos de sentimentos, é realmente encantador 
Lana também tem essa relação do corpo e da alma não apenas em Body Electric mas em suas músicas de uma maneira geral. Ela tem esse lado sombrio e fantasioso que retrata as desilusões e decepções que passou durante sua vida, ela é explicita e aberta sobre sua vida e seus sentimentos.


Lana é uma artista completa, ela compõe, canta, e representa, suas músicas e vídeos com uma atmosfera noir nos remetem aos anos 50, nos dão a impressão de estarmos passando por dentro de sua história e conhecendo  tudo pelo que ela já passou. Um álbum que se torna um livro, canções que se tornam histórias.


Em dezembro de 2013, Lana lançou seu curta metragem intitulado Trópico. Foi a forma mais completa e artística de entender a própria Lana e tudo o que ela passou antes e durante os holofotes. Ao longo da complexa história do curta podemos conferir três músicas que narram perfeitamente o contexto, além é claro das narrações onde encontramos partes dos poemas de Walt Whitman: I Sing the Body Electric e Song of Myself.

Trópico : Lana Del Rey


Essa não foi a única vez que Lana se infiltrou no universo literário, em 2013 ela foi convidada a escrever uma canção para a trilha sonora de The Great Gatsby , filme inspirado na obra de F. Scott Fitzgerald, que já está em sua quinta adaptação para as telonas.Um romance americano que retrata os anos glamourosos e prósperos que sucederam a Primeira Guerra Mundial.


                   

Sinopse: 
Daisy é uma bela jovem de Lousville e Jay Gatsby, um oficial da marinha no início de carreira. Apesar da grande paixão, Daisy se casa com o insensível, mas extremamente rico, Tom Buchanan. Com o fim da guerra, Gatsby se dedica cegamente a enriquecer para reconquistar Daisy. Já milionário, ele compra uma mansão vizinha à de sua amada em Long Island, promove grandes festas e aguarda, certo de que ela vai aparecer. A história é contada por um espectador que não participa propriamente do que acontece - Nick Carraway. Nick aluga uma casinha modesta ao lado da mansão do Gatsby, observa e expõe os fatos sem compreender bem aquele mundo de extravagância, riqueza e tragédia iminente.



Lana escreveu Young and Beautiful e foi indicada ao Satellite Awards como 'Melhor Canção Original', confira o clip:


E ainda não para por ai, na cerimônia do Grammy (26/01/2014) a Disney divulgou um novo trailer do filme Malévola onde Angelina Jolie interpreta a vilã em nova versão de 'A Bela Adormecida', e de quem é a voz que interpreta a nova versão de "Once Upon a Dream" que embala o clássico? Ninguém menos do que a nossa queridinha, Lana. Segundo o Daily Mail o convite para interpretar a música partiu da própria Angelina, para ela e os produtores "Del Rey é perfeita para reviver um velho clássico".
Confira abaixo o trailer de Malévola, ao som de Once Upon a Dream interpretado por Lana Del Rey.


Lana é uma das minhas cantoras favoritas, além de sua voz maravilhosa ela gosta dos mesmos escritores que eu e se inspira neles para compor suas obras. Em 2013 tive a oportunidade de vê-la ao vivo aqui em Belo Horizonte e preciso dizer que ela é muito mais maravilhosa, simpática e autêntica ao vivo do que eu esperava. Aguardo ansiosamente o lançamento de seu novo álbum Ultraviolence, que segundo ela é muito mais "Dark" que Born to Die, quero saber cada detalhe de quem ela se inspirou para criar suas novas músicas.
Espero que tenham gostado.
Até semana que vem!


20 comentários :

  1. Amei o post. Confesso que não curto muito as músicas da Lana, de "Born To Die" a unica que realmente gosto é "Without You", mas você falou de uma forma tão, sei lá, tão diferente do que eu pensava que ela era, que acho que vou começar a repensar meus conceitos sobre ela.

    O Diário de Sally Carter [www]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma boa oportunidade de entender Lana é assistindo Trópico. Ela escreveu, de certa forma dirigiu e estrelou o curta e retrata exatamente o que ela é, e o que ela passou. Vale super a pena!
      Que bom que você curtiu.
      Beijos

      Excluir
  2. Achei o post bastante criativo. Parabéns!
    Não curto muito a Lana porque, sei lá, nunca me fixei em suas canções, principalmente depois que, de certo modo, se popularizou. Mas você nos mostrou uma visão diferente das suas canções... gostei.

    Um abraço!
    http://universoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Estamos tentando fazer posts diferenciados.
      Se popularizou muito principalmente por uma de suas canções principais serem tema da novela das 21 na Globo, mas vale a pena dar uma conferida no trabalho dela de uma maneira mais geral e ver se vale a pena.

      Excluir
  3. Adoro artistas alternativos e não sabia que a Lana tinha essa conexão com o mundo literário.
    Muito bacana =). Gosto de umas músicas dela, mas não conheço todas.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Inês, que bom que você gostou!
      Procure algumas músicas dela depois, quem sabe você curte?
      Beeeijos

      Excluir
  4. Uau, adorei o post!
    Eu não sou uma super fã dela, gosto apensas de algumas músicas, mas agora fiquei bem mais interessa pela Lana. Parabéns pelo post, ficou ótimo!!

    Beijos.
    http://viciosemtres.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fernanda! Que bom que você gostou. Depois dá uma pesquisada, ela tem mais coisas ainda relacionada ao mundo literário, eu não coloquei tantas porque o post ia ficar muito extenso.
      Beeeeijos

      Excluir
  5. A Lana é demais, adoro ela!
    Eu não sabia da relação entre os dois não, viu? Achei tão interessante!
    Não sabia também que ela tinha feito uma canção para a trilha sonora de The Great Gatsby!
    Muito legal conhecer essa relação dela com o mundo literário (:

    Beijos,
    Leitora Online

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Que bom que temos mais uma fã por aqui hihi
      É muito bacana saber esse tipo de informação né? Que bom que curtiu.
      Beeeijos

      Excluir
  6. Olá Carla!
    Adorei o seu post!
    Adoro a Lana! E adorei saber essas curiosidades.
    Beijos,
    Ana M.
    http://addictiononbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana, que bom que vc curtiu!
      Vou dar uma passadinha no seu blog.
      Laaana <3
      Beijos

      Excluir
  7. Carla, estou completamente APAIXONADA pelo seu blog!
    Que design maravilhoso, que post completo e inteligente! Amei, já virei fã.
    Não conhecia Lana del Rey (sou meio relapsa com música), mas a achei linda. E claro que Whitman é um clássico, logo, a junção de ambos não pode ser ruim rs
    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Soraya!
      Ficamos super felizes com os elogios, estamos sempre tentando dar uma cara nova pro blog!
      Que ótimo que você não conhecia a Lana, agora vai ter a oportunidade de fazer seu próprio julgamento depois de ter todas essas informações sobre ela, e espero que vire fã! AHAHAH

      Beijos

      Excluir
  8. Não a conhecia , e muito sabia que tinha uma ligação entre .. Gostei muito do post .. o blog de vcs esta bem profissional ... :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que curtiu, a opinião de vocês é muito importante pra gente.
      Beeijos

      Excluir
  9. Adorei a postagem, Lana Del Rey tem uma voz linda!!! E realmente ela vem se destacando e ganhando cada vez mais espaço entre as cantoras já consagradas.

    Abraço,
    Diego de França
    Leitor Sagaz

    ResponderExcluir
  10. Adorei o post,já tinha ouvido falar da Lana Del Ray mas nunca fui atrás de saber como era o seu trabalho após o post além de conhecer um pouco mais sobre ela me permitiu que eu conhece-se alguma de suas obras adorei as musica principalmente Once Upon a Dream que é tema do filme que estou hiper aguardando o lançamento.

    Beijos adorei o post

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou muito ansiosa por Malévola! Depois que saiu a noticia que Lana ia cantar a principal música da trilha eu fiquei ainda mais ansiosa.
      Obrigada pela presença aqui no blog Rafa.
      Beijoos

      Excluir
  11. Que bom!
    Pois é, eu to super feliz por uma cantora que eu me identifico tanto estar conseguindo se destacar tanto.
    Beeijos

    ResponderExcluir

Hey, gostou da postagem?
Então deixe sua opinião/crítica/elogio aqui!
O Paradise Books agradece seu comentário, obrigado pela visita!
obs.: Não respondemos comentários em anônimo; Não é permitido o uso palavras ofensivas; Não compartilhamos livros, isso vai contra a política de direitos autorais.